quinta-feira, 19 de maio de 2016

Projeto "Direito de Ser Criança" fortalece vínculo entre pais e filhos


Proteger as crianças e adolescentes dos mais diversos tipos de violências e assegurar cultura de paz no ambiente escolar e lares dos alunos, são preocupações que têm motivado a intensificação de ações da Prefeitura de Belém para o fortalecimento dos vínculos familiares e também da escola com a comunidade. Um dos projetos para envolver responsáveis e professores é o Direito de Ser Criança e Adolescente, de sensibilização para a prevenção e combate à violência sexual.  As atividades são desenvolvidas durante o ano todo e intensificadas no período de abril e maio em alusão ao Dia de Enfrentamento à Violência Sexual contra crianças e adolescentes, celebrada hoje, 18.
Uma das atividades desenvolvidas pelo projeto Direito de Ser Criança e Adolescente, foi a pintura do muro da Unidade de Educação Infantil São Gaspar, localizada no Conjunto Orlando Lobato, na Avenida Augusto Montenegro. A ação, realizada na manhã desta quarta-feira, reuniu cerca de 100 crianças que, junto com os pais, desenharam imagens e deixaram mensagens nos muros da escola.
Entre as mães, Chirlene Vieira definiu o momento como de grande importância para expressão de sentimentos e de preocupações com os filhos. “A pintura é a melhor forma de expressarmos o que sentimos com relação ao mundo que queremos ter, um mundo de paz, solidariedade e amor ao próximo, principalmente um mundo por amor às nossas crianças. Quem dera se todas as outras escolas pudessem realizar atividades como essa que despertam a atenção sobre os cuidados que devemos ter com nossos filhos, quanto a questão da violência”, ressaltou.
Chirlene é mãe de Victor dos Santos, de 4 anos, e deixou no muro a frase “Não à exploração sexual”. Ela explicou o porquê da frase. “É importante que as pessoas passem por aqui e leiam para que também estejam atentas quanto à questão. É dessa forma que sensibilizaremos a sociedade e depois o mundo todo”, completou.

Antes da realização das pinturas a equipe pedagógica da unidade escolar realizou uma breve palestra que fundamentou a importância do dia 18 de maio e falou sobre os cuidados que os pais devem ter com seus filhos desde a infância. Os responsáveis ainda foram orientados sobe como proceder em casos de suspeita de exploração sexual com crianças e adolescentes.
Ellen Cristina de Freitas é operadora de caixa e mãe da Nicolle Lobato, do Jardim I. Ela contou que é a primeira vez que tem a oportunidade de vivenciar ao lado da filha um momento como o de hoje, de desenvolver uma atividade na escola. “Aqui percebi mais ainda que minha filha já está aprendendo a se defender e já expressa através da pintura os direitos que lhe assiste. Eu fiz questão de participar da atividade, pois passo a maioria do tempo longe dela e hoje pude ver o benefício que a Uei tem atribuído à vida dela”, comemorou.
A ação durou cerca de quatro horas e imagens como flores, corações e borboletas tomaram os muros da unidade escolar, além das próprias marcas das mãos das crianças com a frase “Diga não  à violência sexual contra crianças e adolescentes”.
Kauane Ribeiro, aluna do jardim II, disse ter deixado a marca de sua mão em vários locais, principalmente dentro do desenho de coração. “Eu deixei a pintura da minha mão dentro do coração para mostrar que amo minha família e que quero ela feliz e unida, e todas as outras também, sem os pais baterem nos seus filhos”, explicou.

Lívia Santos, professora da Uei São Gaspar, explicou que esse foi um momento de preparo para a culminância do Projeto Direito de Ser Criança e Adolescente. “Sabemos que os maiores índices de violência sexual contra crianças e adolescentes está nos próprios lares onde vivem. Então, a proposta foi fortalecer os vínculos da família com o ambiente escolar de forma a orientar e sensibilizar para que abracem a causa junto à escola. Esta é mais uma ação de preparo para a culminância das atividades do Projeto Direito de Ser Criança e Adolescente e já estamos super ansiosos para apresentar tudo o que vem sendo desenvolvido”, relatou a professora.
A culminância dos trabalhos desenvolvidos nas unidades educacionais do município será apresentada no encerramento do Projeto Direito de Ser Criança e Adolescente, no sábado, 21, a partir das 8h na Praça Batista Campos. O evento será aberto ao público que poderá visitar os espaços interativos de cada unidade escolar, assistir as apresentações culturais dos alunos e também participar do cortejo dos direitos.

Texto: Natasha Albarado
Foto: Nenhum
Secretaria Municipal de Educação (SEMEC)




Caminhadas em Mosqueiro alertam sobre a violência sexual contra crianças e adolescente


No Dia Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, celebrado nesta quarta-feira, 18 de maio, a Prefeitura de Belém, por meio da Secretaria Municipal de Educação, realizou, em Mosqueiro, de 8h às 12h, a V Manifestação Cultural, que consistiu em  duas caminhadas simultâneas, envolvendo alunos das escolas municipais, estaduais e particulares da ilha,  com o tema “Proteja nossas crianças e adolescentes! Violência sexual é crime! Faça a sua parte, denuncie!”.
A ação faz parte do Projeto Direito de ser criança e adolescente, que é desenvolvido pela prefeitura nas escolas municipais desde janeiro desse ano. O objetivo do evento é sensibilizar a sociedade civil  para a prevenção e combate à violência e abuso sexual contra crianças e adolescentes, bem como para o reconhecimento dos indícios destes dentro dos espaços educativos e fora deles.   
A faixa da Unidade de Educação Infantil Panapaná que dizia "Sou criança, um ser em construção, preciso de amor e proteção: Violência não!”,  abriu o cortejo que reuniu mais de 300 pessoas entre alunos, pais e profissionais da educação.
A caminhada saiu da UEI Maracajá na Rua  Siqueira Mendes e seguiu até a Praça Matriz. Durante o percurso, frases contra a violência infantil e artigos do Estatuto da Crianças e do Adolescentes eram lidos com intuito de alertar as pessoas para o problema e como combater esse tipo de violência.
A manicure Lucilene Monteiro, mãe da estudante Marise Luana Monteiro. de 4 anos, aluna da UEI Maracajá, participou da caminhada, e falou que agora está mais atenta para reconhecer qualquer indicio de violência e a quem denunciar. "Essa caminhada é muito válida porque a violência pode acontecer dentro da nossa própria casa. Agora com essas informações, fica mais fácil observar os nossos filhos e fazer a denúncia para a polícia ou o conselho tutelar", disse Lucilene.  
A outra caminhada envolveu mais de 400 pessoas no bairro do Carananduba, com a saída de frente da UEI Rotary, que fica na estrada do DNER, e culminou na praça do Carananduba. Além de faixas e cartazes que ressaltavam o combate à violência contra a criança e o adolescente, foram feitas duas paradas. A primeira parada em frente à Escola Estadual Abelardo Conduru, onde os alunos encenaram uma peça teatral sobre o tema; e outra parada foi em frente à Escola Municipal Abel Martins,  que apresentou um grupo musical formados por estudantes e professores.
No sábado, 21, na Praça Batista Campos, a partir das 8h,  a prefeitura realiza a culminância do projeto Direito de ser Criança e Adolescente, com  apresentações culturais e o Cortejo dos Direitos, uma caminhada no entorno da praça, organizada pela coordenação de Educação Infantil da Semec, onde as crianças expressarão através das linguagens natural e social, cênicas, gestual, corporal, oral, musical e brincadeiras, a compreensão sobre os seus direitos.

Texto: Luis Miranda
Foto: Luiz Miranda - Semec
Secretaria Municipal de Educação (SEMEC)



Outeiro tem primeira escola fundamental em tempo integral


A primeira escola municipal de ensino fundamental que funcionará em regime integral, no distrito de Outeiro, foi entregue à comunidade pela Prefeitura de Belém nesta sexta-feira, 13. A Escola Municipal Monsenhor José Maria Azevedo foi totalmente revitalizada e ganhou novas salas de aula para atender os 187 alunos dos Ciclos I e II. A cerimônia ocorreu na quadra de esportes da escola.
Com a reforma, a escola Monsenhor Azevedo passa a ter três banheiros, sendo um deles adaptado para Portadores de Necessidades Especiais (PNE); seis salas de aula totalmente climatizadas; espaços administrativos reestruturados; um novo espaço construído e adaptado para o funcionamento da cozinha, dispensa e refeitório. Além disso, a escola conta com salas para atividades complementares, como aulas de música, dança e artesanato.

Durante a cerimônia de entrega, o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, destacou a importância de oferecer um ensino de qualidade em tempo integral às famílias do distrito. “Entregamos agora uma escola revitalizada e ampliada, e, com o grande desafio da administração pública, que é oferecer condições para que haja justiça social verdadeira e transformação social. Portanto, Outeiro ganha agora a primeira escola em regime integral de ensino fundamental, e essa garotada e seus pais é que serão, com certeza, os beneficiados, pois poderão deixar seus filhos bem cuidados e alimentados enquanto trabalham”.

A unidade atende as famílias do bairro de Itaiteua, onde está localizada, e adjacências, como os filhos da diarista Suely Santana de Lima, de 31 anos, moradora do bairro Água Boa há quase um ano. De acordo com Suely, dois de seus três filhos estão matriculados na Monsenhor, o que representa uma alegria para toda a família.
“Tenho uma filha especial, então preciso dividir meu tempo entre cuidar dela, da Cristina Vitória (10 anos), do Lucas Gabriel (7 anos) e ainda manter meu emprego de diarista. Quando viemos para Outeiro eu acreditava que a maior dificuldade seria por os menores em uma escola de tempo integral, e essa, foi justamente a melhor surpresa que eu tive”, revelou a diarista. “A escola tem me ajudando bastante, porque no período integral que eles estão aqui, consigo levar minha outra filha ao médico, e trabalhar para ajudar meu marido com as despesas de casa. E ainda tem o ônibus, que agora traz meus filhos para a escola de forma mais segura. São tantos benefícios, que só mesmo o prefeito Zenaldo para nos garantir isso para a nossa comunidade”, comemorou Suely.
Compromisso – Durante a cerimônia, a representante do Ministério Público, promotora Graça Cunha, falou sobre o compromisso que a Prefeitura de Belém tem com a educação no município. “Mais uma vez estamos acompanhando a entrega de uma escola revitalizada e ampliada, que demonstra o compromisso que o prefeito tem, pois só assim somos capazes de construir mudanças para o futuro dessas crianças”, ressaltou.
Participaram da cerimônia a vice-prefeita, Karla Martins; a secretária municipal de Educação, Rosinéli Salame; os agentes distritais de Icoaraci, Armando Tavares e de Outeiro, Elizete Cardoso; o escritor Apolo Barros (Apolo da Caratateua) e lideranças comunitárias.

Texto: Karla Pereira
Foto: Oswaldo Forte
Coordenadoria de Comunicação Social (COMUS)




Nova escola no bairro de Águas Lindas resgata a autoestima da comunidade


Quem vê a rotina da servente Mirian Silva, de 28 anos, não imagina o que ela passou quando trabalhava como catadora no lixão do Aurá, localizado no município de Ananindeua, Região Metropolitana de Belém. O lixão está fechado há quase um ano e, desde então, a vida das famílias que trabalhavam no local ganhou novos rumos.
Durante três anos Mirian saía todos os dias de casa às 5h da manhã, e não tinha hora para voltar. “Minha vida era muito diferente. Enfrentei sol e chuva, e ainda corria o risco de pegar todos os tipos de doença contagiosa no meio daquele lixo, e hoje o ambiente é outro. Climatizado, com higiene e eu tenho carga horária para cumprir”, declarou ela, que atualmente integra a equipe de funcionários da Escola Municipal de Educação Infantil Jardim Nova Vida, no bairro de Águas Lindas, inaugurada nesta quinta-feira, 12, pelo prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho.
“Hoje eu vejo a mudança não só na minha vida, mas das famílias que deixam seus filhos na escola para ir trabalhar. Quando olho para essas crianças com um sorriso no rosto, e seus pais com a certeza que estão saindo para trabalhar deixando seus filhos em segurança, é gratificante, porque nossas histórias de vida tinham o mesmo destino, aquele lixão”, lembrou Mirian.
Desde o fechamento do lixão, a Prefeitura de Belém vem criando alternativas para beneficiar as famílias daquela área, construindo e ampliando escolas, unidades de saúde e levando infraestrutura e saneamento para o bairro. Dentre os benefícios está a construção da nova escola, que vai beneficiar cerca de 100 alunos, além da revitalização da Unidade Pedagógica Jardim Nova Vida que atende 36 crianças.
Durante a inauguração, o prefeito Zenaldo Coutinho destacou a importância de estar entregando a escola para a comunidade. “Este é um momento de muita alegria, em que a gente pode trazer dignidade para a comunidade e proporcionar às famílias uma escola de tempo integral, para que as mães possam sair para trabalhar, tendo com quem deixar os filhos”, pontuou o gestor.
Zenaldo enfatizou ainda, que a construção da escola Jardim Nova Vida foi feita com recursos próprios do município. “Tudo o que a população paga, nós estamos devolvendo com obras e serviços de qualidade. Mesmo diante da grave crise econômica nacional, tão grave que hoje são vários estados e municípios que estão parcelando salário de funcionários, nós estamos pagando salários em dia e fazendo investimentos na cidade”.
Benefícios
A nova unidade escolar terá funcionamento em tempo integral – de 7h30 às 17h30, beneficiando assim as famílias do bairro e adjacências. O prédio foi construído e adaptado de acordo com as necessidades da comunidade. Ele conta com rampa de acessibilidade, quatro salas de aula climatizadas, salas de secretaria e coordenação, banheiros, cozinha, dispensa, refeitório e playground, além de área com escovódromo e bebedouros.
Moradora da comunidade Jardim Nova Vida, Josiane Farias, de 31 anos é mãe do pequeno João Pedro Farias, de 4 anos, recém-matriculado na escola para cursar o Jardim I. João é portador da paralisia cerebral e desde que ele nasceu, sua mãe abdicou da profissão de técnica de enfermagem para cuidar dele. “Meu filho precisa de cuidados especiais e aqui no bairro não havia um local que eu pudesse contar, mas desde que matriculei meu filho nesta escola, vejo uma evolução grande, e me sinto mais segura para voltar a trabalhar, pois sei que o João vai ser bem cuidado”, afirmou.
Além de contar com o benefício do tempo integral, onde o filho vai estar sob os cuidados das professoras e desenvolvendo cada vez mais suas funções motoras, Josiane afirma que a acessibilidade do local facilitou ainda mais a rotina do João dentro da escola. “A rampa de acesso facilitou nossa entrada na escola, assim como o espaço que as próprias salas de aula têm, onde as professoras incentivam ele a caminhar e até mesmo sentar junto de outras crianças”, explicou Josiane.
Para a professora Ana Oliveira dos Santos, que já trabalhava na unidade que foi reformada, essa foi uma conquista para toda a comunidade. “A escola vai atender a necessidade principalmente daquelas famílias que trabalhavam no lixão do Aurá. É motivo de felicidade para todos nós que estamos vendo o progresso chegar”.
Reconhecimento - Durante a inauguração, a representante do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Ida de Oliveira, destacou o trabalho que a prefeitura de Belém vem realizando em prol das crianças do município. “Esse compromisso com a infância é uma questão fundamental, e proporcionar os direitos da criança é uma obrigação, mas para isso exige compromisso, e o prefeito Zenaldo tem esse compromisso. A gente entende que a questão do Aurá é tão antiga e dramática, que uma escola faz toda a diferença na vida dessas crianças”, ressaltou.
Ainda em seu discurso, Zenaldo afirmou que neste ano serão entregues mais 15 unidades de ensino fundamental e ensino infantil. “O foco na educação da criançada é muito importante para a transformação da nossa cidade, nós só transformamos uma sociedade se for através da educação”, concluiu.
Participaram da inauguração a vice-prefeita de Belém, Karla Martins; a secretária municipal de Educação, Rosinéli Salame; o secretário municipal de Meio Ambiente, Deryck Martins; o presidente da Câmara Municipal de Belém, Orlando Reis; e lideranças comunitárias.

Texto: Karla Pereira
Foto: Oswaldo Forte
Coordenadoria de Comunicação Social (COMUS)







Projeto cultural beneficia estudantes e comunidade com acesso ao cinema


O que para alguns pode ser rotina, para muitos outros pode ser um sonho, como é o caso das alunas ribeirinhas Laura dos Santos, de 6 anos, e Laura França, de apenas 4 anos, que realizaram na manhã desta quinta-feira, 12, o desejo de ir pela primeira vez ao cinema. Isso foi possível porque a Prefeitura de Belém promoveu mais uma atividade educativa e sociocultural que beneficiou 860 alunos da rede municipal e a comunidade de modo geral nos dias 11 e 12 de maio, com o projeto “Ultragaz Cultural: Levando Cinema até Você”, fruto de uma parceria da Prefeitura com a Liz Editora Ltda, de São Paulo.
Para a realização do sonho de ir ao cinema, as duas alunas atravessaram o rio por 20 minutos na lancha escolar que saiu da Ilha do Combu com destino ao Portal da Amazônia, em Belém, para finalmente entrar em uma sala de cinema assistir a um bom filme, com direito a pipoca e refrigerante.
Para Laura dos Santos, da Unidade Pedagógica Combu, até a espera da fila já era motivo de muita ansiedade. “Estou praticamente a três passos para a realização do sonho que todos os dias achava ser impossível acontecer. Mas agora estou aqui e a felicidade toma conta do momento que estou vivendo, só posso agradecer a oportunidade”, disse a estudante enquanto entregava seu ingresso.
Somente 21 cidades brasileiras foram contempladas com o projeto itinerante, e Belém está entre elas. Para a coordenadora do Núcleo de Projetos da Diretoria de Educação da Semec, Manuella Mattos, este é um momento de puro orgulho em que os alunos terão a oportunidade de ampliar ainda mais seus conhecimentos acerca de uma nova vivência. “A grande contribuição deste processo é que através da linguagem cinematográfica é possível resgatar valores e também facilitar o aprendizado dentro da sala de aula, através de uma boa interpretação que contribuirá no melhor desenvolvimento da leitura e escrita dessas crianças”, ressaltou a coordenadora.
Um dos que passavam pelo local e se deixou contagiar pela alegria das crianças foi o autônomo José Roberto Araujo. Ele fez uma pausa na caminhada que realizava com sua esposa para obter informações sobre a sessão aberta à comunidade e disse estar interessado. “É impossível não se sentir atraído com um projeto desse porte com tamanha importância na socialização e de acesso à cultura. Se as prefeituras de todos os municípios ofertassem e aderissem a projetos como esse, com certeza o índice de marginalidade no país já teria diminuído. Sinto-me orgulhoso de também poder participar de projetos que vem contribuindo na formação cidadã de cada um através do lazer, da cultura e do esporte, como aqui na própria orla podemos usufruir do novo projeto das bicicletas também”, comentou satisfeito.
No primeiro dia de exibição, os alunos das Unidades Municipais de Educação Edson Luís, Honorato Filgueiras, Silvio Nascimento, Miguel Pernambuco, Luiza Pinto Amaral, Cordolina Fontelles, Silvio Leandro, José Alves Cunha, Abel Martins, Anna Barreau, Monsenhor Azevedo, Pedro Demo, Madalena Raad, Josino Viana, República de Portugal e Liceu Mestre Raimundo Cardoso assistiram aos filmes Os pinguins de Madagascar, Frozen, Detona Ralf e Malévola.
Já no segundo dia o evento contou com a participação dos alunos ribeirinhos das Unidades Milton Monte, Navegantes, Combu, Santo Antônio, Nazaré e São José, e também de alunos das Unidades de Ensino de Belém como Comandante Klautau, Inês Maroja, João Nelson Ribeiro, Amância Pantoja, Gênesis, Ciro Pimenta, Olgivaníse Moura, Theodor Badotti, Maroja Neto, Alzira Pernambuco, Francisco Nunes e Manuela de Freitas que puderam desfrutar dos filmes Universidade de Monstros, Festa no Céu, Minions e Eu e meu Guarda-Chuva.
Karina Souza, aluna da Escola Municipal Comandante Klautau, disse ter aprendido muito com o filme Festa no Céu. “Eu aprendi que devo equilibrar minhas decisões na escolha do caminho que devo seguir. O filme mostra muito os valores familiares e como devemos encarar nossos medos também.Ele vai me servir muito, tanto na escola como na minha vida pessoal”, declarou.  
“Eu descobri que aprendo bem mais rápido através de filmes e vídeos e essa descoberta foi desde que fui a primeira vez ao cinema, que foi no Olympia, através da minha escola também. Desde aí ficou mais fácil de aprender e eu passei a me expressar melhor”, assegura a aluna, ao sair da sala de cinema.

Infraestrutura
A execução do projeto na capital paraense se deu através de uma carreta adaptada que se transforma em sala de cinema com estrutura para acomodar 89 pessoas por sessão, com duração de 1 hora e meia. A carreta é dotada de sistema de segurança aprovado por órgãos internacionais, com saída de emergência e extintores, além de snack bar com dispenser para refrigerante e pipoqueira, geração de energia independente e sistema de som e imagem digital.
No total foram disponibilizadas cinco sessões por dia, respectivamente nos horários de 8h, 10h, 13h30, 15h30 e 19h, sendo esta última aberta a toda a comunidade.
A expectativa da Secretaria Municipal de Educação é continuar proporcionando atividades extraclasse que priorizem o aprendizado facilitado através do lúdico. “Já desenvolvemos muitos projetos em rede como é o caso das visitas de leitura, concertos didáticos e turismo na escola, e queremos continuar expandindo o aprendizado lúdico proporcionando aos alunos novas vivências e a interação entre eles próprios, que permite as novas descobertas”, finalizou Manuella Mattos.   

Texto: Natasha Albarado
Foto: Eliza Forte
Secretaria Municipal de Educação (SEMEC)




segunda-feira, 16 de maio de 2016

I Mostra Gastronômica incentiva criatividade na alimentação escolar



Com o objetivo de incentivar a criatividade dos manipuladores de alimentos na promoção da alimentação saudável, a Prefeitura Municipal de Belém realiza a I Mostra Gastronômica de Receitas da Alimentação Escolar no Município de Belém. A Mostra consiste na eleição, divulgação e premiação de receitas culinárias elaboradas por manipuladores de alimentos da merenda escolar municipal. Cerca de 800 merendeiros da rede de ensino podem participar e se inscrever na competição até a próxima segunda-feira, 16.
No regulamento da Mostra, disponível neste link, está descrita a documentação necessária para a inscrição, que deve ser feita na sede da Fundação Municipal de Assistência ao Estudante, (Fmae), localizada na Avenida Augusto Montenegro, Km 01, Passagem Maria das Graças. N° 565- Marambaia, das 8h às 17h, ou na direção da unidade educacional em que o manipulador trabalha. Dessa forma, ficando a direção escolar responsável por encaminhar à Fmae as documentações até a data limite da inscrição.
De acordo com o presidente da Fmae, Walmir Nogueira, a Mostra pretende destacar a importância dos manipuladores de alimento da rede, que se dedicam a agradar o paladar dos alunos. “Belém é uma referência na gastronomia mundial e também na merenda escolar, que já conquistou até premiação nacional. Diante disso, é válido dizer que nossos manipuladores podem ser grandes chefes, tal a criatividade com que preparam as refeições de rotina nas escolas”, ressaltou.
A escolha das melhores receitas da alimentação escolar ocorrerá em duas etapas, sendo ambas eliminatórias: a primeira de Habilitação e a segunda de Preparação e Degustação. Na fase da Habilitação, será exigida a apresentação da Carteira/Certificado de manipulador de alimentos, Carteira de Saúde, Ficha Técnica de Preparação (modelo disponível no regulamento) e foto impressa da preparação. Nesta etapa serão selecionadas as cinco receitas que, além de apresentarem toda a documentação exigida, vão passar pela avaliação de cinco jurados.
Já na etapa de Preparação e Degustação, a ocorrer no dia 3 de junho, os pratos serão degustados pela comissão julgadora composta por sete jurados.  Para a escolha da receita vencedora, serão considerados alguns aspectos, são eles: agradável palatabilidade (harmonia entre sabores e ingredientes), aceitação da preparação; digestibilidade;  e o aspecto visual da preparação (apresentação da receita).
As receitas concorrentes devem caracterizar-se como preparação salgada e somente serão aceitos pratos com alimentos entregues pela Fmae e Projeto Educando com a Horta Escolar e Gastronomia, utilizados nas unidades de educação do município.
Merendeira da Escola Benvinda de França Messias há 16 anos, Ivanelde Costa já sabe com qual receita vai concorrer. “Vou inscrever o Frango Paraense, que eu sei que é bem aceito pelas crianças. Porque não é fácil agradar a elas, preciso de muita criatividade pra trazer inovações para as refeições”, revela.


Premiações
Cinco primeiras colocações: Os aprovados à Etapa de Preparação e Degustação, além do certificado de participação, receberão kits para manipuladores de alimentos personalizados para a I Mostra Gastronômica.
Três primeiros colocados: Para os três primeiros aprovados na Etapa de Preparação e Degustação, além das premiações das etapas anteriores, será atribuída a seguinte premiação:  R$ 1.500,00 (Mil e quinhentos reais) para o primeiro colocado;  R$ 1.000,00 (Mil reais) para o segundo colocado; R$ 500,00 (Quinhentos reais) para o terceiro colocado.
Escolas: As cinco unidades de educação que tiverem os manipuladores classificados para a Etapa de Preparação e Degustação, receberão placas alusivas à Mostra Gastronômica com a seguinte mensagem: “A melhor receita da alimentação escolar do município de Belém está aqui”.

Texto: Andreza Carvalho
Foto: Arquivo-Agência Belém
Coordenadoria de Comunicação Social (COMUS)

Investimentos na Educação Inclusiva têm resultados positivos em Belém


O que antes era motivo de preocupação, hoje é motivo de orgulho, felicidade e novas esperanças. É o que relata a auxiliar de Serviços Gerais e avó de uma aluna diagnosticada com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), Vânia Gonçalves, na tarde desta quinta-feira, 5, ao participar de um encontro realizado pela Unidade Pedagógica Santo Agostinho da Aldeia, da Prefeitura de Belém, que debateu assuntos acerca da deficiência e novas técnicas adaptadas aos alunos que apresentam TEA.
“A minha neta tinha dificuldades para aprender devido não ficar quieta.Os professores não tinham paciência e ela não se adaptava a nenhuma escola, até que recebi ótimas referências das unidades de ensino municipais e decidi procurar a mais próxima para matricular a Clarissa, que hoje já consegue ter mais atenção e seguir uma rotina de estudos que muito vem contribuindo no seu desenvolvimento de aprendizagem e socialização, isso me deixa mais tranquila e despreocupada”, contou com lágrimas nos olhos, Vânia Gonçalves, ao lembrar o avanço que sua neta vem apresentando cotidianamente.
O encontro reuniu pais e professores que prestigiavam a palestra ministrada pelo Profº MSc Rafael Morais da Universidade do Estado do Pará (Uepa), com o tema “Transtorno do Espectro do Autismo”.
Durante o evento, foi possível trocar experiências vivenciadas dentro de sala de aula e tirar dúvidas. Além disso, o encontro ainda foi propício para que novos métodos de ensino fossem apresentados, como o ensino estruturado baseado no Programa TEACCH (Treatment and Education of Autistic and Comunication Handicapped Children) que significa “Tratamento e Educação de Crianças com Déficit de Comunicação”.
O programa surgiu nos Estados Unidos e ainda é pouco adotado no Brasil, mas já vem sendo desenvolvido na Uepa com crianças autistas, algumas delas da rede municipal que já apresentam um bom desenvolvimento na aprendizagem e comportamento.
“Queremos estender esse programa aqui em Belém e agradeço a oportunidade que estou tendo aqui na UP, de ministrar e trocar vivências com professores da rede municipal que já mostram um domínio sobre o conteúdo em debate. É encantador escutar as histórias vividas e as diversas maneiras estratégicas de lidar com alunos com certos tipos de deficiência, como é o caso do autismo aqui relacionado. Todo esse conhecimento também vem da soma dos recursos que a Prefeitura de Belém vem investindo na educação especializada, e tenho certeza que o programa só contribuirá mais ainda para o ensino de qualidade oferecido às nossas crianças autistas”, destacou o palestrante Rafael Morais.
O objetivo fundamental do Programa TEACCH é auxiliar a criança com a deficiência a crescer da melhor maneira possível de modo a atingir o máximo de autonomia na vida adulta, usando, para isso, componentes visuais e estruturação ambiental.
Para facilitar a compreensão dos professores sobre o programa, foram apresentados vídeos de alunos com TEA e suas características e também recursos e objetos que podem ser trabalhados durante as etapas do programa que consiste nas habilidades estratégicas de aprendizagem e socialização destes alunos.
A professora da turma do Jardim II, Maria Martins, aproveitou o momento para apresentar teoricamente, a evolução do seu aluno com TEA, Andrew Luis. “Ao chegar aqui na Unidade Pedagógica, o Andrew não conversava e nem brincava com os coleguinhas, ele vivia um mundo muito dele, isolado de todos. Depois dos investimentos realizados em prol da educação inclusiva, hoje o nosso aluno já senta, consegue prestar atenção na aula e até troca conhecimentos com seus colegas, mas confesso que esta educação de qualidade oferecida aqui não seria possível sem o apoio que recebemos através da sala de recursos e as visitas dos estudantes no Crie”, ressaltou.
Andrew Luis, de apenas 5 anos, é um dos 300 alunos da Rede Municipal diagnosticados com Transtorno do Espectro do Autismo, que recebem apoio especializado da Prefeitura de Belém, e que vem apresentando um quadro evolutivo notório.
Além das aulas regulares, esses estudantes frequentam o Centro de Referência em Inclusão Educacional Gabriel Lima Mendes (Crie) três vezes por semana para receber o Atendimento Educacional Especializado nas salas de recursos multifuncionais com fonoaudiólogos, psicopedagogos e outros profissionais.
Avanço- Atualmente, das 73 escolas de ensino infantil e fundamental de Belém, 50 possuem as salas de recursos multifuncionais onde, duas vezes por semana, o aluno é atendido por equipes formadas por psicólogos, fisioterapeutas e pedagogos que juntos desenvolvem atividades e projetos em prol dos alunos a fim de que seus limites sejam superados e que suas habilidades pessoais sejam cada vez mais estimuladas.
Mas a preocupação da Prefeitura de Belém com a inclusão vem desde a estrutura das escolas municipais. Além das salas multifuncionais, os alunos ainda contam com rampas de acesso e placas sinalizadoras.
Essa soma de recursos e o desenvolvimento positivo dos alunos com deficiência vêm qualificando a educação inclusiva em Belém, o que se reflete na satisfação de pais e alunos que migram para a rede municipal. Em 2013 o número de alunos com deficiência era pouco mais de 400. Em 2016 este número dobrou para 2 mil estudantes com algum tipo de deficiência.

Texto: Natasha Albarado
Foto: Ascom Semec / Neldson Neves
Secretaria Municipal de Educação (SEMEC)