terça-feira, 18 de novembro de 2014

Semec abre exposição de projetos na Estação das Docas





Um dos grandes desafios da educação é inserir em seu processo a diversidade cultural, para tornar crianças, adolescentes, jovens e adultos cidadãos mais políticos e comprometidos com o seu local. Com esse foco, a Secretaria Municipal de Educação (Semec) deu início, nesta segunda-feira, 17, à XII Mostra de Saberes, II Seminário Práticas de Alfabetização e I Feira do ProJovem, cujo tema é “Identidades, Culturas, Memórias e Saberes Amazônicos”.
O objetivo dos eventos é socializar as experiências pedagógicas e culturais desenvolvidas pela comunidade escolar nos espaços da rede municipal de ensino, neste ano. Alunos da Educação Infantil, do Ensino Fundamental, da Educação para Jovens e Adultos (EJA) e do Movimento de Alfabetização de Jovens e Adultos (Mova) irão expor, durante toda a programação, que segue até a próxima quarta-feira, dia 19, seus trabalhos, por meio de apresentações culturais, poesia, dança, comunicação oral, banners e apresentações de vídeos.
A cerimônia de abertura teve início às 17 horas, no Teatro Maria Sylvia Nunes, da Estação das Docas, e contou com a presença do prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, e da secretária municipal de Educação, Rosinéli Salame, entre outras autoridades.
“A união desses eventos está unificando a educação do município, porque eles consolidam os exemplos que serão expostos. Os professores estão aqui para apresentar as suas boas práticas, para disseminar na rede, o que demonstra a grande vida produtiva dos nossos professores e também a interação com os alunos”, disse o prefeito Zenaldo Coutinho.
Além da oportunidade de socializar as diversas experiências vividas pelos profissionais da educação, a Mostra de Saberes também se caracteriza como um evento científico, que tem como ponto principal o debate sobre a educação pública municipal.
“Participar desta mostra é enriquecedor, uma vez que ela possibilita essa troca de experiências. É um grande aprendizado”, afirmou a professora da Unidade de Educação Infantil Passo a Passo, Ruth Machado. “Apesar de meus alunos ainda não saberem ler, os projetos de leitura que estou vendo aqui contribuem muito como base para o nosso trabalho”, completou a professora.
A Feira Cultural do ProJovem conta com a participação de alunos e profissionais do Programa Nacional de Inclusão de Jovens (ProJovem Urbano), com objetivo de apresentar a importância do ensino teórico e prático da qualificação profissional no programa.
“Durante esses dias, os professores poderão mostrar seus trabalhos e observar o que precisam aprender, com o objetivo de cumprir com as exigências que a didática moderna solicita para uma educação de qualidade”, pontuou a secretária municipal de Educação, Rosinéli Salame.
Paralelamente, ocorre também o II Seminário Práticas de Alfabetização, por meio da apresentação oral de professores que socializam trabalhos sobre as temáticas do seminário. O evento é uma realização da Semec, por meio do Centro de Formação de Professores, o qual desenvolve em Belém as ações do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC/MEC).
A XII Mostra de Saberes da Semec, o II Seminário Práticas de Alfabetização e a I Feira do ProJovem acontecem até esta quarta-feira, 19, no Boulevard de Feiras e Exposições e no Teatro Maria Sylvia Nunes, na Estação das Docas, das 9 às 21 horas.


Texto: Andreza Carvalho
Foto: Alessandra Serrão - NID/Comus
Secretaria Municipal de Educação (SEMEC)

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Prefeitura homenageia 600 manipuladores de alimentos da rede municipal de ensino



A Prefeitura de Belém, por meio da Fundação Municipal de Assistência ao Estudante (Fmae), homenageou, nesta sexta-feira, 14, os 600 manipuladores de alimentos do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae) que atuam na rede municipal de ensino.
O evento, que ocorreu na sede do Sindicato dos Trabalhadores das Instituições Federais de Ensino Superior no Estado do Pará (Sindtifes), já é uma programação obrigatória da Fmae, que realiza anualmente uma confraternização com o objetivo de promover a valorização do manipulador de alimentos do município.
“Nossa intenção é considerar a importância do trabalho desses profissionais para o bom desempenho do Pnae nas escolas de Belém. A dedicação e responsabilidade deles trazem para o município o status de referência nacional como entidade executora do Programa na região Norte”, afirmou o presidente da Fmae, Walmir Moraes.
Em 2013, Belém recebeu o prêmio de Gestor Eficiente de Merenda Escolar na categoria valorização de merendeiras. Segundo o Prefeito Zenaldo Coutinho, “não adianta termos boas escolas, bons professores se não temos uma boa comida. Nossos alunos precisam ser bem alimentados, por isso, os manipuladores exercem papel importantíssimo na formação de nossos alunos, pois eles utilizam o ingrediente fundamental na alimentação escolar, que é o amor”.
Anualmente, a Fmae promove formações que visam atender à Resolução RDC nº 216 de 2004 da Vigilância Sanitária que, entre outras deliberações, exige que todas as pessoas que lidam com alimentos tenham treinamento específico.
Em 2014, foram compostas cerca de 50 turmas que receberam treinamento sobre as exigências da Lei 11.947 de 2009 do Pnae, assim como as boas práticas do manuseio e armazenagem da alimentação; educação alimentar; técnicas de conservação de hortaliças e frutas e relacionamentos no ambiente de trabalho.
Para o manipulador de alimentos Lázaro Perez, que trabalha há 14 anos no preparo da alimentação de estudantes, “trabalhar com a merenda escolar é emocionante. Eu tenho valor nesse processo, porque sou parte contribuinte na mudança do futuro, já que cuido da alimentação de crianças. Elas não conseguem aprender se não estiverem bem alimentadas. Elas chegam e já vão logo me perguntando qual é a merenda do dia. Algumas só comem na escola, então eu tenho que caprichar”.
Durante a confraternização, sete escolas foram premiadas pelo Projeto Cozinha Legal, que objetiva estimular o atendimento das exigências do Pnae, assim como verificar todos os aspectos referentes às boas práticas de higiene nas etapas de armazenamento, preparo e distribuição da alimentação escolar, e cumprimento da Lei 11.947/2009.
“Eu trabalho há 30 anos com merenda escolar e trabalho com alimentação de crianças de três a cinco anos. Lá na Unidade, a gente procura fazer tudo direitinho, a comida não é só gostosa, mas também é bem cuidada e armazenada. A gente procura trabalhar como nos ensinaram na Fmae. Acho que é por isso que a nossa merenda tem qualidade”, disse a merendeira da Unidade de Educação Infantil Cohab III, Raimunda Oliveira.
Neste ano, obtiveram destaques as seguintes unidades de educação, que receberam placa alusiva das mãos do prefeito Zenaldo Coutinho: Unidade Pedagógica Combu, Unidade de Educação Infantil Cohab III, Associação de Pais e Amigos de Excepicionais (Apae), Unidade Pedagógica Barão de Mamoré, Escola Laís Fontoura Aderne, Escola Pedro Demo e Escola Donatila Santana Lopes.
Texto: Jolse Quinto
Foto: Alessandra Serrão - NID/Comus
Secretaria Municipal de Educação (SEMEC)


Professora de escola pública de Belém conquista o Prêmio Professores do Brasil




Professora da Escola Municipal Walter Leite Caminha, no bairro do Benguí, Diana Lemes Ferreira conquistou o Prêmio Professores do Brasil da região Norte, promovido pelo Ministério da Educação. Ela elaborou o projeto “Educação para o trânsito, a vida pede passagem: o Benguí antes e depois da Avenida Independência/Centenário”, desenvolvido com alunos do Ciclo II (4º e 5º ano). O anúncio dos vencedores, por região, foi feito na última terça-feira, 11.
O Prêmio Professores do Brasil é uma iniciativa do Ministério da Educação, por meio da Secretaria de Educação Básica, juntamente com instituições parceiras. Criado em 2005, tem como objetivo reconhecer, premiar e divulgar o mérito de professores das redes públicas de ensino, pela contribuição dada para a melhoria da qualidade da educação básica. Para tanto, são avaliadas experiências pedagógicas bem–sucedidas e inovadoras.
Dentro de sala de aula, a professora desenvolveu o conteúdo programático da Prova Brasil, que avalia o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica por escola, utilizando as notícias referentes à nova avenida publicadas em jornais.
Dessa maneira, os alunos exercitaram várias disciplinas, como matemática, geografia, português e redação, utilizando as informações veiculadas. Foram produzidos também exercícios, avaliações, gincanas e aulas práticas.
“Nós, enquanto comunidade escolar, começamos a perceber que vários acidentes passaram a acontecer depois que a via foi inaugurada e que não houve uma preparação da população para a mudança. Isso entrou também na rotina da escola. Houve alunos que perderam vizinhos ou até mesmo familiares. Então, eu comecei a trabalhar a educação no trânsito agregada ao plano político-pedagógico”, conta a professora.
O aluno Victor Manoel de Jesus, de 11 anos, é responsável por levar suas duas irmãs mais novas para a escola e conhece muito bem as dificuldades de se trafegar pelas ruas e a importância de se respeitar as leis de trânsito.
“Quando não tinha sinal era muito ruim. A gente esperava muito tempo até algum carro parar. De dentro da sala, às vezes, escutamos os carros freando bem forte. Eu acho que o que está faltando mesmo é consciência das pessoas. Elas deveriam pensar que se baterem, machucarem alguém, vão deixar as famílias deles muito tristes”, diz o aluno.
Para concorrer ao prêmio são inscritos, na maioria das vezes, projetos com temas como letramento e alfabetização. O fato de o projeto “Educação para o trânsito, a vida pede passagem: o Benguí antes e depois da Avenida Independência/Centenário” não ter um tema comum, pode ter sido um dos motivos para que o projeto fosse escolhido como o melhor da região Norte. Esta foi a primeira vez que a professora inscreveu um projeto.
“Esse prêmio representa muito pra mim. Eu sempre estudei em escola pública e era um sonho fazer pedagogia. Cheguei a trabalhar no restaurante universitário para me manter e, hoje, com o doutorado, tive a opção de ficar trabalhando na Secretaria Municipal de Educação, mas preferi voltar para a sala de aula porque eu acredito na escola pública. Esse prêmio é um ganho para a categoria”, enfatizou.
A professora idealizadora do projeto e a diretora da escola serão homenageadas em São Paulo e Brasília, e participarão, no período de 8 a 11 de dezembro, do seminário Prêmio Professores do Brasil. A Fundação Santillana, apoiadora do prêmio, vai produzir um catálogo retratando os projetos vitoriosos. 

Texto: Aline Saavedra
Foto: Ascom Semec
Secretaria Municipal de Educação (SEMEC)

Alunos expõem atividades desenvolvidas durante o ano




A manhã dos alunos da Escola Municipal Olga Benário, localizada no bairro Águas Lindas, foi diferente nesta sexta-feira, 14. A quadra de esportes se tornou palco de contos folclóricos e apresentações culturais. A Mostra Cultural da escola, que apresenta os resultados de todos os trabalhos realizados no decorrer do ano, contou com a participação de pais, alunos e professores, que se confraternizaram no evento.  
“A Mostra Cultural também é uma oportunidade para os pais verem como os seus filhos estão envolvidos nos trabalhos escolares e observarem os resultados das atividades. A maior parte dos projetos incentiva o gosto pela leitura e podemos observar ótimos resultados no aprendizado e na criatividade dos alunos”, explicou o diretor da unidade, Edson Matos.
Um dos projetos desenvolvidos na escola é o “Memória da Literatura do Pará”, que tem como objetivo valorizar obras de autores paraenses e incentivar a leitura em todas as escolas da rede municipal, por meio da divulgação da história de vida e das obras de 80 autores paraenses.
“Aqui na escola eu aprendi a gostar de ler e não ler só por obrigação, quando tenho que estudar. Percebi que aprendi mais, minhas notas até estão mais altas”, afirmou, entusiasmada, a aluna do quinto ano, Mariana de Cássia. 
Para a professora responsável pela sala leitura, Laíse Cardoso, o grande desafio é estimular o interesse das crianças. “É óbvio que quando os alunos estão entusiasmados o rendimento é melhor, no entanto, devido à realidade de vida de cada um, torna-se um grande desafio estimular essas crianças, por isso, não medimos esforços para envolver cada um dos alunos nas atividades”, enfatizou.

Texto: Andreza Carvalho
Foto: Ascom Semec
Secretaria Municipal de Educação (SEMEC)

Alunos de escolas ribeirinhas participam do V Jogos das Ilhas






Duzentos e cinquenta alunos da educação infantil e ensino fundamental de comunidades ribeirinhas de Belém participam até esta quarta-feira, 12, do V Jogos das Ilhas Sul. Com o tema “Esporte, Cultura e Identidade", a programação acontece na Escola Municipal Milton Monte, na ilha do Combu, distante da capital apenas 20 minutos de barco.
Ao todo seis escolas disputam entre si provas de subida ao açaizeiro, quem debulha mais rápido o açaí, corrida, queimada, salto em distância, entre os outros jogos. Participa da competição a Escola Milton Monte, Unidade Pedagógica (UP) Combu e UP Santo Antônio, ambas localizadas na Ilha do Combu, UP Nazaré e UP São José, localizadas na Ilha Grande e UP Nossa Senhora dos Navegantes, localizada na Comunidade da Várzea.
A abertura oficial da programação, que aconteceu na manhã da última terça-feira, 11, contou com cerimônia similar aos jogos olímpicos, mas não deixou de lado os traços e peculiaridades do cotidiano ribeirinho. A tocha olímpica foi levada de barco pelo estudante Felipe dos Santos Nascimento até as margens da ilha, onde o aluno Antony Carlos Santos dos Santos o aguardava sinalizando com a bandeira dos jogos. Houve ainda desfile das escolas, o hasteamento das bandeiras, juramento e apresentações culturais feitas pelos estudantes.  
A titular da Secretaria de Educação de Belém, Rosinéli Salame, acompanhou a abertura dos jogos e falou da importância de oportunizar o momento aos alunos ribeirinhos. "É um orgulho pra Belém ter unidades de ensino que proporcionam momentos como esses as crianças qu estão mais distantes do centro urbano, mas que nem por isso deixam de ter a qualidade na educação como qualquer outra criança”, afirmou.
A aluna da Escola Milton Monte, Elizane Costa assistiu atentamente a programação e estava na expectativa para competir. "Eu e minhas amigas já treinamos na escola e queremos muito ganhar a corrida", disse.
No final do mês de outubro, os jogos foram realizados nas ilhas norte, na Unidade Pedagógica Maria Clemildes, localizada na comunidade do Caruaru, distante a 30 minutos de barco da Vila de Mosqueiro. Alunos da educação infantil e do 1º ao 4º ano das Unidades Pedagógicas Maria Clemildes, Bacabeira e Castanhal do Mari-Mari participam da competição.
Texto: Aline Saavedra
Foto: Ascom Semec
Secretaria Municipal de Educação (SEMEC)

 

Período de cadastramento da Chamada Pública é prorrogado até o dia 30


O período de cadastramento da Chamada Pública da Educação Infantil, realizado pela Secretaria Municipal de Educação (Semec), foi prorrogado até o dia 30 de novembro nas Unidades de Educação Infantil do município. A chamada pública, que iniciou no dia 16 de outubro em todas as unidades de educação da rede municipal, tem como objetivo cadastrar crianças de zero a cinco anos que estão fora da escola para identificar a concentração de demanda da Educação Infantil por distrito, e, a partir daí, construir um planejamento que contemple a construção, ampliação ou readequação de Unidades Educacionais Infantis, além da sinalização de políticas públicas para o atendimento dessa demanda.
Pais ou responsáveis por crianças de zero a cinco anos, que estão fora da escola, podem fazer os cadastros nas Unidades de Educação Infantil do município, no horário de 8h às 18h. O responsável pelo cadastro da criança deve apresentar os seguintes documentos originais: certidão de nascimento e carteira de vacinação da criança; carteira de identidade e CPF do responsável legal; comprovante de residência e documento com foto do responsável pelo cadastro.
(Consulte a lista com os endereços das Unidades de Educação Infantil no arquivo anexo à matéria)

Texto: Andreza Carvalho
Foto: João Gomes / COMUS
Secretaria Municipal de Educação (SEMEC)

Prefeitura Municipal de Belém investe em melhorias no transporte escolar




Para cinco mil alunos da rede municipal de ensino de Belém, o caminho até a escola se tornou mais rápido, econômico e saudável, desde o início do ano letivo. A Prefeitura de Belém beneficiou estudantes do 6º ao 9º ano das escolas dos distritos de Mosqueiro, Icoaraci e Outeiro e da comunidade de Santana do Aurá, nas Águas lindas, com a doação de bicicletas para serem utilizadas na locomoção do aluno até a unidade em que estuda.
Além de reduzir o tempo de deslocamento até a sala de aula, a bicicleta aumenta a frequência escolar. “Eu tinha que ir andando para a escola, o que era cansativo. Agora que ganhei uma e tenho como chegar mais rápido à aula, fico mais feliz”, conta o aluno da Escola Liceu Mestre Raimundo Cardoso, Marcos Cordeiro. “Estou em um projeto de primeiro emprego, então também uso a bicicleta para ir ao trabalho e economizo passagem de ônibus”, completa.
O município de Belém é o primeiro na Região Metropolitana a fazer a entrega de bicicletas a alunos da rede municipal, contribuindo principalmente com os estudantes que moram a longas distâncias da escola, com poucas opções de transporte.
“Orientamos para que as bicicletas sejam usadas somente pelos alunos que receberam o benefício, porque elas foram adquiridas com o objetivo de contribuir na locomoção dessas crianças e jovens. Além disso, não possuem estrutura para ser utilizadas por adultos ou levar cargas, por exemplo. Cabe aos pais a responsabilidade de preservar este bem do aluno”, enfatiza a secretária municipal de educação, Rosinéli Salame.
A mãe de Marcos, Rosângela Cardoso, acredita que a bicicleta não é apenas um meio de locomoção, mas também uma forma de contribuir para o crescimento pessoal do aluno. “Está sendo uma ótima oportunidade para ele aprender a ter responsabilidade e cuidar daquilo que é exclusivo dele. Sei que meu marido e eu temos a responsabilidade de zelar pelo uso correto da bicicleta, mas o maior responsável por cuidar é o próprio Marcos”, pondera.
Os estudantes também receberam capacetes para que o transporte seja ainda mais seguro e rápido. “Muitos alunos vinham andando, por não terem condições de comprar uma bicicleta ou até mesmo de pagar passagem de ônibus todos os dias. Agora, como chegam mais rápido na escola, podem descansar mais, dormir mais e, com isso, estão mais dispostos na sala de aula, o que, naturalmente, leva a um melhor desempenho no processo de ensino-aprendizagem”, explica a professora da Escola Liceu Mestre Raimundo Cardoso, Rosângela Dantas.
As bicicletas, adquiridas com recursos municipais, foram submetidas a análises e ensaios de produtos em laboratório credenciado pelo Inmetro.
A Secretaria Municipal de Educação (Semec) também vai contar em breve com mais 30 ônibus escolares, que apoiarão o deslocamento dos estudantes. Para os alunos que residem na região das ilhas, a Semec está adquirindo mais lanchas para a condução, além dos barcos alugados pela secretaria e lanchas que já realizam esse trabalho.

Texto: Andreza Carvalho
Foto: João Gomes / COMUS
Secretaria Municipal de Educação (SEMEC)

Projeto desenvolvido em escolas de Belém é destaque nacional



Mais uma vez o Projeto Educando com a Horta Escolar e a Gastronomia, executado pela Fundação Municipal de Assistência ao Estudante (Fmae), em parceria com a Secretaria Municipal de Educação (Semec) é destaque em rede nacional. Neste sábado, 08, o projeto foi ao ar no quadro “Expedição Terra” explorado pelo ator Max Fercondini e apresentado pela jornalista Sandra Annenberg, no programa matinal “Como será?”, da Rede Globo.
Na visita a Belém, que ocorreu no final de junho, o ator elogiou as belezas naturais da ilha do Combu, local onde as imagens foram gravadas e a alimentação servida aos alunos.  "Aqui é bem diferente pela paisagem e palafitas, é muito interessante a característica rústica do lugar", observou o apresentador Max Fercondini, acrescentando o que achou da alimentação servida aos alunos. "A propósito da alimentação dos alunos, está muito boa, espero voltar e acompanhar outras experiências”, completou.
Esta é a segunda vez que o projeto ganha visibilidade nacional. No final do primeiro semestre deste ano, o jornalista do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Warner Bento Filho esteve em Belém e produziu uma série de reportagens de assuntos que são destaques na educação em Belém, incluindo o projeto Educando com a Horta Escolar e a Gastronomia. As matérias foram publicadas no portal do FNDE.
Isso tudo demostra o reconhecimento no avanço na qualidade da merenda escolar fornecidas aos alunos da rede municipal de ensino de Belém, em especial das localizadas na região das ilhas. Que, por se tratar de áreas que, dependo do período, ficam inundadas, se faz necessário a adoção de outras medidas, como a horta suspensa para que o plantio e o consumo dos alimentos produzidos pelos alunos, para que não fiquem comprometidos.
A meta do Educando com a Horta Escolar e a Gastronomia é fazer com que os alunos participem de todo o processo da construção da horta até a colheita e degustação e, ao mesmo tempo, aplicar conteúdos pedagógicos como ciências, geografia, matemática, entre outros, tornando o projeto além de um espaço de cultivo, um laboratório vivo.
Para o ano de 2014 estava previsto a implantação de apenas cinco hortas escolares, porém após a verificação do êxito do projeto, 15 já foram implantadas e até o final deste ano, mais duas serão inauguradas. A proposta é que todas as unidades de educação de Belém sejam contempladas com o projeto. Cada escola beneficiada recebe instrumentos para a criação da horta, como carro de mão, mangueira, regador, sementes e enxada, por exemplo.
O projeto chama atenção para os altos índices de obesidade infantil que cresce continuamente em todo o Brasil. A rede municipal de educação de Belém já conta com uma alimentação baseada em alimentos saudáveis, como frutas, verduras, peixes e carne, todos oriundos da agricultura familiar. O que o projeto traz de novidade é a participação dos estudantes.

Para o presidente da Fmae, Walmir Nogueira, é necessário ressaltar a importância da educação alimentar e nutricional para o desenvolvimento escolar. “Investindo em uma alimentação de qualidade e possibilitando para o aluno um hábito alimentar mais saudável, estamos contribuindo para o seu desenvolvimento, pois bem alimentada, adquiri mais conhecimento”, concluiu o presidente.
Texto: Aline Saavedra
Foto: ISIS RENATA
Secretaria Municipal de Educação (SEMEC)