terça-feira, 30 de setembro de 2014

Escola realiza passeio ciclístico




A Escola Municipal Honorato Filgueiras, localizada no bairro do Jurunas, realizou no último sábado, 27, um passeio ciclístico. O passeio marcou a abertura da programação do Círio 2014. O tema deste ano foi vida saudável em interação com o meio ambiente. O evento faz parte dos objetivos do projeto politico pedagógico no que se refere a prática do lazer, a educação  e os cuidados com o meio ambiente, tendo sempre a participação da família. A programação, que iniciou em frente a escola e terminou no Portal da Amazônia, teve o apoio da Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de Belém. Ao final do passeio ciclístico houve ainda o sorteio de prêmios para os alunos e familiares.

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

CRIE realiza programação em comemoração ao Dia Nacional do Surdo








Raissa Ribeiro, 17, nasceu com a audição comprometida. Ela tem perda total de um lado e parcial do outro. A jovem é uma das alunas que participaram da programação em celebração ao Dia Nacional do Surdo, comemorado nesta sexta-feira, 26 de setembro. Participaram também do evento alunos de escolas públicas do estado, familiares e instituições que desenvolvem trabalhos em defesa dos direitos dos deficientes auditivos. A caminhada, realizada no entorno do Museu Paraense Emílio Goeldi, procurou chamar a atenção para o processo de inclusão do surdo na sociedade.
 
Após a caminhada, a programação continuou dentro do parque ambiental. A ação foi realizada pelo Centro de Referência e Inclusão Educacional Gabriel Lima Mendes-CRIE, vinculado à Secretaria Municipal de Educação (Semec), que oferece atendimento educacional especializado aos alunos com deficiência.
 
"Gostaria que as pessoas tivessem um comportamento diferente do que têm hoje em relação aos deficientes auditivos. Pra mim é muito importante estar aqui com outras pessoas, também surdas, mostrando a todos do que somos capazes. Mas o principal a se pedir neste dia é o respeito”, declarou Raissa, resumindo o que todos os participantes da programação desejavam para a data.
 
Nas dependências do Museu, os alunos puderam conhecer mais um pouco da riqueza ambiental da Amazônia durante uma visita monitorada. Suziane Assunção, de apenas oito anos, ressaltou que há tempos não visitava o Museu. Ela foi diagnosticada com perda de audição e hoje seu caso é considerado moderado. A mãe, Suelen da Conceição, diz o diagnóstico não modificou em nada a rotina da filha e tampouco abalou psicologicamente a família.
 
“Eu comecei a perceber que ela sempre escutava TV e música em volume alto, quando ia conversar com alguém sempre dizia que não estava escutando bem. Foi quando eu a levei no Otorrino e, após fazer alguns exames, foi diagnosticada a perda de audição que ocorre gradativamente. Mas pra mim, a pessoa surda é como qualquer outra pessoa normal, só tem um jeito diferente de se comunicar”, afirmou.
 
Denise Costa, coordenadora do CRIE, falou da importância da comemoração da data. “Este é um momento de levar às ruas e mostrar à sociedade, de maneira ativa e consciente, os direitos e conquistas da pessoa com deficiência auditiva. É o momento de unir determinação, trabalho e empenho na busca incessante pela igualdade de direitos e respeito às diferenças, com vistas à inclusão da pessoa surda”, ressaltou.
 
Ao final da programação os alunos assistiram a uma peça encenada pelo grupo de teatro Palhaços Surdos Bilíngues, com a participação especial do ator gaúcho Itacir Dorneles Carmo. Para o artista, a arte colabora mensamente no aprendizado do aluno surdo. “A peça teatral é especial por ser uma arte visual e o surdo é inteligente, ele percebe tanto quanto um ouvinte. E isso é importante pra que ele perceba que, assim como nós escolhemos trabalhar com a arte, eles também podem ser e fazer o que desejam”, ressaltou o artista.
 
Além do dia 26, o dia 30 também é conhecido internacionalmente como o Dia do Surdo, originando, assim, a criação do nome “Setembro azul”. Entre as conquistas já alcançadas pela comunidade surda do Brasil destaca-se o reconhecimento nacional sobre a LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais, como a primeira Língua de Sinais dos Surdos, e a Língua Portuguesa como segunda, assim como o direito por Escolas Bilíngues para Surdos.
 
Outras vitórias também foram alcançadas, principalmente com a ajuda da tecnologia. Nesse sentido, pode-se destacar placas sinalizadoras em Libras, legendas em programas televisivos, ensino a distancia via internet da língua de sinais, uso de smartphones para o envio de mensagens em tempo real e formação superior de pessoas surdas com instituições bilíngues.

Alfabetizadores discutem educação popular na Semana Paulo Freire



Começou nesta quarta-feira, 24, e segue até o dia 26 a Semana Paulo Freire, organizada pela Secretaria Municipal de Educação (Semec) com o objetivo de capacitar e promover a troca experiências entre os alfabetizadores do Mova - Movimento de Alfabetização de Jovens e Adultos. Com o tema “Educação popular como prática de liberdade”, a programação acontece na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, localizada na Travessa das Mercês, em São Brás.
A abertura do evento contou com apresentações culturais e com a palestra do professor Salomão Hage, que explorou o tema da educação como prática de liberdade. Também foram exibidos vídeos com depoimentos de alunos que passaram pelo processo de alfabetização por meio do Mova-Belém.
“Essas formações tem o objetivo de mostrar que a alfabetização e o letramento vão além de aprender a ler e escrever. Os alfabetizadores têm a função de apresentar uma nova cultura aos alunos. Alfabetizar jovens e adultos é uma ação estruturante, porque possibilita que essas pessoas tenham acesso ao que a sociedade produz”, disse o professor Salomão Hage.
Durante os três dias de programação os alfabetizadores têm a oportunidade de se aprofundar na política e pedagogia das obras de Paulo Freire para a educação, enfatizando a utilização da história de vida dos alunos como ponto de partida para a alfabetização.
“A participação dos alfabetizadores é fundamental na Semana Paulo Freire, uma vez que para ser voluntário do Mova basta ter o Ensino Médio completo. As formações são indispensáveis para a capacitação deles, por isso o evento busca teorizar a principal prática freireana utilizada pelo Movimento, que é o uso da história de vida do aluno como instrumento de alfabetização”, explicou o coordenador do Mova-Belém, Miguel Picanço.
O Movimento de Alfabetização de Jovens, Adultos e Idosos em Belém é executado pela Semec e tem como propósito alfabetizar pessoas que não tiveram a chance de frequentar as salas de aula, aprendendo a ler e escrever no período adequado. Para isso, conta com a parceria de escolas municipais, igrejas e centros comunitários. Ao todo, 170 professores e 25 coordenadores integram o programa. Para ser alfabetizador do Mova é preciso ter o Ensino Médio completo e disponibilidade para ensinar e participar das formações continuadas antes e durante o projeto.
Para a alfabetizadora Maura Rodrigues, ser voluntária do Movimento é estar em constante aprendizado. “Participo há três anos do projeto. É muito emocionante escutar a história de vida dos alunos e poder ver o quanto pude contribuir pra mudança de vida deles. Por isso faço questão de não perder uma formação, para cada dia mais estar melhor preparada a ensiná-los”.

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Procedimentos para abertura de conta na Caixa






IV Fórum de Educação Física reúne professores da rede municipal

Um espaço voltado para o debate e troca de experiências. Com esse objetivo a Secretaria Municipal de Educação (Semec), por meio do Departamento de Educação Física escolar abriu na manhã desta quarta-feira, 24, a programação do IV Fórum Municipal de Educação Física Escolar, que traz o tema “Conteúdos para a Educação Física: novos horizontes para a intersetorialidade”. O encontro, que ocorrerá até o dia 26, está sendo realizado no aditório da Secretaria Municipal de Esporte, Juventude e Lazer (Sejel), como parte da formação voltada para os professores da rede municipal de ensino.
Na abertura do evento os profissionais tiveram a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre a paralisia cerebral, na conferência do fisioterapeuta Paulo Douglas Andrade, intitulada “A relação das lesões dos membros inferiores com as atividades esportivas de quadra”. Durante a exposição, foram elencados alguns esportes que podem ser aplicados a alunos com a deficiência cerebral e outras limitações, entre eles a bocha, futebol de sete (para deficientes visuais) e vôlei sentado.
O objetivo do Fórum é promover a troca de experiências e informações que proporcionem a construção e aplicação de novos conteúdos curriculares, para as práticas corporais nas unidades de ensino do município de Belém. “Este ano nós começamos a discutir a inclusão na Educação Física escolar, permitindo aos profissionais a abertura de novos horizontes para a prática esportiva”, explicou a diretora do DEEF, Elizabeth Gomes.
Para o fisioterapeuta, encontros como este colaboram para ampliar os conhecimentos adquiridos na academia. “Geralmente, a grade do curso de Educação Física não abrange aspectos como este. E, na prática, é comum que os profissionais se deparem com alunos com deficiência e não saibam como agir. Então, a conferência vem justamente para mostrar que é possível trabalhar com crianças com deficiência usando a criatividade”, afirmou.
Professora de Educação Física da Fundação Escola Bosque, Thalita Ramos tem seis alunos com diferentes deficiências - física, intelectual e visual - na faixa de 6 a 10 anos. Para ela, o momento favorece e estimula as novas práticas pedagógicas que podem ser aplicadas com os alunos. “Hoje eu faço aulas diferentes para os alunos com e sem deficiência, mas quando voltar pra escola já terei outras formas de trabalhar para estimular a integração entre eles e promover a verdadeira inclusão. Aqui, tive a oportunidade de conhecer campeões que tem limitações e percebo que os meus alunos também podem praticar os mesmo esportes que eles e, quem sabe, até se tornar atletas de sucesso”, comentou.
Nesta quinta-feira, 25, “A relação Aptidão Física e Saúde em ambientes escolares” será o tema da mesa redonda que terá a participação do Professor Doutor Christian Pinheiro da Costa /UFPA e do Prof. Msc. Ítalo Sérgio Lopes Campos/UFPA.
À tarde, o debate será sobre o “Desenvolvimento de habilidades motrícias pelas vivências rítmicas”, com a Professora Especialista Elenise Pimentel Gonçalves/Sejel; Professora Especialista Lucidéa de Sales Correa, e Aline Graziela Dias, do Grupo Experimental de Dança UEE Yolanda Martins.
A programação encerra com um workshop sobre “Atividades Físicas: dificuldades e superações”, realizado com a participação dos professores Valdir Soares Moura e Cleberson Reis de Menezes.

Texto: Aline Saavedra
Foto: Tássia Barros - Comus
Secretaria Municipal de Educação (SEMEC)

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Ação educativa ensina regras básicas de trânsito a alunos do Paracuri








De forma lúdica e dinâmica, os alunos do 1° ao 5° ano do Liceu Escola Mestre Raimundo Cardoso,  no bairro do Paracuri, em Icoaraci tiveram uma manhã de aprendizado diferente nesta segunda-feira, 22, com apresentação teatral, exposição de desenhos e poesias. Tudo voltado para os cuidados que todos devem ter ao transitar nas vias públicas.
A ação faz parte da semana nacional do trânsito realizada pela Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de Belém, Semob em parceria com a Secretaria Municipal de Educação e outros parceiros. O objetivo é conscientizar pedestres, ciclistas, motoristas de carros e motocicletas para um trânsito seguro na cidade de Belém e nos distritos. Além do Liceu, as escolas Honorato Filgueiras, no Jurunas e Escola Bosque, em Outeiro também receberão a ação educativa nos dias 23 e 24, respectivamente.
No Liceu escola, os alunos não só conheceram algumas dicas de como transitar de maneira segura e correta nas ruas, como também participaram de gincanas educativas. A iniciativa agradou as crianças que mostraram o que aprenderam. "Eu aprendi que quando a gente for atravessar a rua, os nossos pais não devem segurar na nossa mão, porque quando a gente sua ela fica lisa e as mãos escorregam. Tem que segurar no pulso. Esse é o jeito correto", conta a aluna Brenda da Silva, 8, do 2° ano do ensino fundamental.
Antes da presença dos educadores de trânsito da Semob na escola, os alunos desenvolveram em sala de aula leituras e dinâmicas com o mesmo tema. O resultado foi a exposição de desenhos e as poesias produzidas pelos próprios alunos. A medida conseguiu agregar teoria a prática.
 “A ação nas escolas é necessária para criar o hábito de educação no trânsito, pois o aluno não possui os vícios que o adulto tem. E, é importante também que esse trabalho seja permanente, principalmente aqui na escola onde os alunos foram contemplados com bicicletas para irem e voltarem da escola" ressaltou o técnico do ensino fundamental da Semec, Edilson Palheta.
Semobil, mascote da Semob esteve presente no evento e reforçou com os alunos as regras básicas necessárias para atravessar na faixa de pedestre. Ver se o sinal está verde para os pedestres, olhar para os dois lados antes de atravessar e aguardar o momento de atravessar sempre na calçada são algumas dicas.
Para o educador de trânsito da Semob, Renato Lima, a faixa de pedestre é o primeiro contato das crianças com o trânsito. “Apesar de parecer simples, é necessário obedecer as regras ao atravessara a faixa de pedestres. E, abordar isso com as crianças é muito importante porque elas acabam chamando a atenção dos pais se estiverem fazendo algo errado, é uma ação educativa com as crianças que se estende as famílias”, afirmou.
A aluna Ana Celeste Pinheiro, do 5º ano foi uma das alunas que escreveu um poema em homenagem a semana. Em seu texto, ela chama a atenção para o consumo de bebida alcoólica e a direção. “Escolhi falar sobre isso porque tem muitos acidentes acontecendo”, disse a aluna. 
Texto: Aline Saavedra
Foto: João Gomes - NID Comus
Secretaria Municipal de Educação (SEMEC)

Belém amplia atendimento especializado para alunos com deficiência







Uma análise feita pelo Centro de Referência em Inclusão Educacional Gabriel Lima Mendes, vinculado à Secretaria Municipal de Educação, que gerencia o atendimento a alunos com deficiência nas escolas municipais de Belém e distritos de Mosqueiro, Outeiro, Icoaraci, além da região das ilhas, mostra que mais de mil alunos com deficiência, seja ela física, intelectual, visual ou auditiva recebem atendimento especial nas escolas municipais. 

No início deste ano, era 547 o número de alunos matriculados na rede. Após o levantamento criterioso, feito em agosto, foi constatado que mais de mil alunos com deficiência estão matriculados na Rede Municipal de Ensino, desde a Educação Infantil até a Educação de Jovens e Adultos. Os dados obtidos são do Sistema de Informações de Gestão Acadêmica (Siga).

Os alunos, além de participarem das aulas em turmas regulares, têm toda a assistência especializada necessária nas Salas de Recursos Multifuncionais (SRMs), que também teve o seu número ampliado. No início deste ano, das 69 escolas, apenas 33 possuíam a SRM, hoje já são 40. As salas são espaços onde os alunos podem expandir conhecimentos e melhorar as habilidades dentro da limitação de cada deficiência, seja ela física, auditiva, intelectual ou visual.

Nas SRMs há mobílias, recursos de tecnologia assistiva, como sorobã, que é uma espécie de calculadora adaptada para deficientes visuais; máquina braile, teclado adaptado, jogos e software, além de outros objetos que auxiliam no desenvolvimento de cada aluno. Nestas salas há o acompanhamento de uma equipe com profissionais de fisioterapia, psicologia, pedagogos, fonoaudiólogos, entre outros. Os atendimentos ocorrem três vezes por semana, no contraturno escolar.

A qualidade no atendimento é refletida na satisfação de pais e alunos. “Meu filho estudou durante quatro anos em uma escola particular e estuda pela primeira vez em uma escola pública. O que eu posso dizer é que a escola em que ele está hoje é muito melhor. Antes ele nem escrevia, era só livro, só livro, hoje ele tem dever de casa, faz exercício no caderno, como qualquer outra criança. Ele avançou muito mais. As pessoas lá são maravilhosas, eu e ele adoramos”, conta Marivalda do Socorro Vale, mãe do aluno Igor Vale, 10, que tem síndrome de Down e faz o 3º ano na Escola Municipal Walter Leite Caminha, no Benguí. Outros estudantes com algum tipo de deficiência, como Andresson Luiz, e Elizabeth Rodrigues, também comemoram avanços nos estudos regulares devido ao atendimento especializado que recebem da Prefeitura de Belém.

O fato, de acordo com a coordenadora do Crie, Denise Costa, está ligado à presença do atendimento especial, na maioria dos espaços educacionais e a proliferação dos serviços oferecidos. “A educação inclusiva no município de Belém caminha a passos largos e tem conseguido várias conquistas em prol dos alunos. Nós estamos conseguindo sensibilizar os profissionais, as famílias, a comunidade para a questão, isso é muito importante. A inclusão desses alunos seja na escola, nas datas comemorativas é muito importante. E a escola pode ser o primeiro contato da pessoa com deficiência no universo que é de todos. É necessário fazer a verdadeira inclusão”, ressaltou Denise Costa.

Texto: Aline SaavedraFoto: Isis Fonseca Secretaria Municipal de Educação (SEMEC)

Escola municipal é homenageada pelo Iphan






A Escola Municipal Liceu Mestre Raimundo Cardoso recebeu nesta sexta-feira, 19, placa de homenagem do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), pelas ações vencedoras da etapa estadual do Prêmio Rodrigo Melo Franco de 2013. A escola municipal concorreu ao prêmio com o Projeto Ações Educativas: Sextas de Café com Memória do Liceu.
A cerimônia de homenagem encerrou o ciclo de palestras realizado pelo Iphan, “Conversa Pai D’égua: falando sobre patrimônio” . O evento é composto por Mesa Redonda com palestras que apresentaram as ações selecionadas na etapa estadual do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade 2013.

“ A participação dos alunos da rede municipal é muito importante. São esses meninos que hoje estão aprendendo um pouco mais sobre patrimônios que futuramente poderão ser servidores públicos, restauradores ou pesquisadores que darão continuidade no trabalho de  salvaguardar o patrimônio histórico”, disse a técnica em educação do Iphan, Carla Cruz.

O Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade é uma homenagem ao primeiro presidente do Iphan e foi criado em 1987 em reconhecimento a ações de proteção, preservação e divulgação do patrimônio cultural brasileiro.

O Projeto Ações Educativas: Sextas de Café com Memória do Liceu realizado desde 2012 pela escola Liceu Mestre Raimundo Cardoso, em Icoaraci, tem por objetivos promover e fortalecer o diálogo entre as comunidades escolar e extraescolar, sobre questões relativas à educação e ao patrimônio cultural por meio de palestras, exposições de arte, arrastão cultural, apresentações culturais, saraus.
Esta ação contribui para  o conhecimento e envolvimento dos alunos com a cultura local. "Antes de entrar no projeto eu não sabia da importância que os patrimônios têm pra cidade. Mas agora, eu sei que eles fazem parte da nossa cultura e temos que preservar", disse o aluno do 9º ano da unidade, Max Marcelo.
A periodicidade dos “Sextas de café com memória” é bimestral e ocorre ao longo de toda uma sexta-feira, duas vezes por semestre. Nesses encontros, são apresentados os resultados parciais e finais dos projetos interdisciplinares.
“Este projeto possui um grande envolvimento dos alunos com a comunidade. Devido uma das temáticas abordadas seja a cerâmica do Paracurí, patrimônio cultural da localidade da escola, a comunidade se identifica e participa de forma intensa. Isso motiva a continuidade do projeto, almejando novos frutos para a escola”, afirmou a diretora da escola, Janice Lima.
Em função do  “Sextas de café com memória”, a escola fechou parceria com o Museu Emílio Goeldi e está trabalhando em um novo projeto, "Calçada da Memória". que fala especificadamente da cerâmica do Paracurí.
Texto: Andreza Carvalho
Foto: João Gomes - NID Comus
Secretaria Municipal de Educação (SEMEC)

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Prefeitura de Belém terá audiência de conciliação com o Sintepp no dia 18



As Câmaras Cíveis Reunidas, do Tribunal de Justiça do Pará, jugaram, nesta terça-feira, 16, o mandado de segurança impetrado pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Pará (Sintepp), que requeria o pagamento dos dias paralisados durante a greve deflagrada pelos professores da rede municipal de ensino no período de 26 de maio a 26 de junho deste ano. A decisão judicial não se referiu aos descontos que a Prefeitura de Belém já havia efetuado, apenas determinou a não efetivação de novos descontos na remuneração dos servidores que aderiram à greve do Sintepp até a realização da audiência de conciliação, marcada para a próxima quinta-feira, 18.

Na liminar, o juiz convocado, relator José Roberto Pinheiro Maia Berreza Junior, afirma que “a liminar pleiteia para determinar que a autoridade coatora se abstenha de realizar novos descontos na remuneração dos servidores que aderiram ao movimento paredista relativos aos dias de greve até ulterior deliberação. Quanto aos demais pontos articulados na inicial, apreciarei em cognição exauriente, após devidamente instruída a presente ação.”

Vale ressaltar que, no inicio deste mês as Câmaras Cíveis Reunidas já haviam julgado e negado o recurso do Sintepp, que requeria o não desconto dos dias parados dos profissionais que grevaram.

A Secretaria Municipal de Educação reitera que apenas 475 servidores aderiram à paralisação do Sintepp e tiveram os descontos em folha. Descontos, estes, realizados em respeito aos 88% dos professores que não concordaram com a greve e mantiveram o cumprimento de seus horários, garantindo o recebimento normal de seus vencimentos.

A Semec ressalta, ainda, que o salário dos professores da rede municipal é o maior entre as capitais do país. A remuneração do professor da educação básica está acima do piso nacional anunciado pelo Ministério da Educação. Segundo os dados do Ministério, o novo piso é de R$ 1.697, 00. Porém, a Prefeitura de Belém paga, desde o início do ano de 2014, o reajuste dado ao salário mínimo, que é de 6,78%, portanto acima da inflação, que foi de 5,91%.

Com o reajuste o professor com 40h semanais passou a ganhar R$ 1.918,60 de piso somado às vantagens, ou seja, 100% de escolaridade, regência de classe e abono salarial, o que perfaz um total de R$ 4.239,73 para o recém concursado.

A Prefeitura de Belém vem priorizando a educação no município. Inúmeros investimentos estão sendo feitos na melhoria da estrutura física da rede escolar e na qualificação dos profissionais que atuam na Secretaria Municipal de Educação. São novas escolas, ampliações e reformas das existentes, entrega de um novo centro de formação para os professores, formação continuada para docentes, técnicos e pessoal de apoio, entrega de tablets, Vale Livro, merenda escolar de qualidade e transporte eficaz para os alunos das ilhas e distritos.

Todo este investimento tem um único objetivo: oferecer uma educação de qualidade para todos os alunos da rede municipal de ensino e melhores condições de trabalho e evolução profissional aos docentes.

Texto: Andreza Carvalho
Foto: Ascom Semec
Secretaria Municipal de Educação (SEMEC)

 

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

8ª edição do Prêmio Professores do Brasil



O prazo para inscrições do Prêmio Professores do Brasil foi prorrogo até dia 22 deste mês. As inscrições devem ser feitas no site http://premioprofessoresdobrasil.mec.gov.br/

Estão aptos a se inscreverem todos os dois milhões de professores das três etapas da educação básica, atuantes nas redes públicas. Basta-lhes apresentar uma prática pedagógica criativa e inovadora (em andamento ou já concluída) e formalizar a inscrição. É muito importante que o trabalho seja registrado, através de fotografias, vídeos e relatórios ou anotações, para que profissionais do ensino, de outros lugares do país, possam conhecê-lo e se inspirar nele.

Neste ano, o Prêmio Professores do Brasil foi dividido em temas livres e temas específicos. Os temas livres são: Educação Infantil, séries iniciais do Ensino Fundamental, séries finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio. Já os temas específicos são Educação Integral e Integrada (programas Mais Educação e Ensino Médio Inovador; e outros que oferecem a jornada escolar ampliada e ênfase na formação integral dos estudantes), Ciências para os anos iniciais do Ensino Fundamental, Alfabetização nos anos iniciais do Ensino Fundamental e Educação digital articulada ao desenvolvimento do currículo.